"Our duty is to feel what is great and love what is beautiful - not to accept all the social conventions and the infamies they impose on us."

In Madame Bovary de Gustave Flaubert

domingo, 23 de dezembro de 2012

don't look at me...



... that way!

K

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Don't look at me...



...that way!!

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Ora digam lá...





Se esta pose é ou não sugestiva??


e eu que passo todos dias à frente de um Mega Outdoor com esta caramela nesta posição insinuosa...

K

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Com um conjunto destes...





















Que importa se os sapatos não são Louboutin?

domingo, 2 de dezembro de 2012

I don't mind...




















keep watching...

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

The farm (II)

__
Amanda dirigiu-se ao piso térreo em busca de água. Ouviu o som inconfundível do chuveiro onde Guilherme tomava banho. Num ímpeto invulgar nela seguiu em direcção à porta do quarto de banho e empurrou-a ligeiramente. Conseguia ver parte da cabine, cuja metade superior estava tomada pelo vapor da água quente, deixando apenas à vista a metade inferior do corpo do ex-advogado que se encontrava de costas para a porta. Estava boquiaberta enquanto olhava para as pernas musculadas, onde se destacavam os gémeos salientes e os glúteos de forma firme e arredondada. 

Guilherme prosseguia o seu tranquilo duche sem imaginar tal hipótese de voyeurismo na sua própria casa. Virou-se enquanto ensaboava o ventre, deixando à vista o seu membro pendente envolto numa pequena penugem quase inexistente. 

Amanda continuava boquiaberta quer pela imagem que via quer pela incredulidade do que estava a fazer. Sentia-se impelida a entrar e juntar-se ao seu anfitrião. Sem que se desse conta já se acariciava suavemente. O que via era incrivelmente sexy, e o risco de poder ser apanhada em flagrante delito pela sua vítima ainda lhe aumentava mais a excitação. Continuava a acariciar o seu clítoris enquanto enquanto via Guilherme a ensaboar o seu membro que parecia ter ganho algum volume entretanto. As pernas tremiam-lhe de tesão.

O anfitrião banhava-se calmamente, aproveitando para relaxar do dia que, apesar de tudo terminara mais cedo devido à visita recebida. E cada vez que pensava nela, vinha à sua mente a imagem das longas pernas  douradas sentadas no seu cadeirão no escritório e dos olhos negros penetrantes. Sentia-se de tal forma atraído por ela que começou a sentir o seu pau a crescer. Agarrou-o como se o quisesse impedir. Depois acariciou-o. Envolveu o  pénis e os testículos com uma mão sentindo-lhes o volume. Sentiu-se incapaz de controlar a excitação. Sentia o pau a crescer na sua mão e pausadamente começou a masturbar-se. A água e a espuma escorriam-lhe pelo corpo.

A visitante sucumbira às pernas trémulas e deixara-se cair. Sentada no chão e encostada à ombreira da porta e de pernas abertas masturbava-se com frenesim enquanto olhava o pau entesado de Guilherme. A calcinha postas de lado deixava bem à vista a vagina completamente depilada e os grandes lábios da morena.

Subitamente, solta um gemido audível. Dentro da cabine de duche, Guilherme parecia ter ouvido alguma coisa e parou mas a névoa que se gerara em volta da cabine  e o vidro completamente embaciado impediam a visão para o lado de fora.
Amanda percebera que tinha sido ouvida. Havia agora duas soluções e ela já escolhera.Numa atitude irracional nada sua, levanta-se. Deixa cair no chão a saia e as cuecas semi transparentes de renda negra, arranca a blusa e o soutien num ápice e dirige-se para a cabine.

Ele vê um vulto e avança para abrir a porta, que nesse mesmo momento se move na sua direcção. À sua frente Amanda, completamente nua entra e agarra-lhe o membro erecto.

- Estava lá fora a ver-te mortinha por entrar! Vê como me puseste! - disse agarrando a mão dele e puxando-a para o seu húmido entrepernas.

Guilherme manteve-se mudo. Fitou os olhos negros da visitante, agarrou-a pela cintura e beijou-a enquanto lhe percorria com a mão os seios pequenos e firmes antes escondidos por um soutien push-up. Empurrou-a para a parede aquecida pelo vapor da água que continuava a cair do chuveiro. Ela cravou-lhe as pernas à volta da cintura ficando ao colo de Guilherme que a encostou à parede e sem demora penetrou a advogada que soltou um urro de prazer. Ele estocava fortemente enquanto mordiscava o pescoço de Amanda que se deixava levar por aquele momento de loucura.

Amanda gemia insistentemente enquanto Guilherme a penetrava com incessante vontade até que atira em tom de ordem um "Come-me por trás. Agora."

Perante tal voz de autoridade pô-la no chão. O seu corpo latejava e as pernas estavam bambas com a tesão daquele momento. Virou-se de costas para ele apoiou os braços na parede e empinou o rabo.
Vem - disse ela em tom desafiante.

Ele agarrou-lhe o cabelo e apontou o bracamarte fazendo-o deslizar para dentro da voyeur. Puxava-lhe o cabelo a cada investida, metendo-o até o sentir a tocar bem lá no fundo. Os seus músculos vibravam a cada contracção. Amanda delirava como há muito não acontecia. Sentia-se completamente possuída, com a adrenalina a subir aos píncaros de cada vez que sentia a cabeça do membro entumescido de Guilherme a irromper caminho por si adentro.

O amante começou a sentir o fruto da excitação a crescer dentro de si. Sentia a lava a subir pelo seu pénis erecto até sussurrar ao ouvido da companheira - Vou-me vir....

Amanda afastou-se e virou-se para ele agarrando-lhe o pau e puxando-o para bem perto de si, punhetando-o até ao gozo final acompanhado por um forte urro do amante.


domingo, 18 de novembro de 2012

The Farm

Fazia-se sentir um calor infernal naquela tarde de verão. Guilherme aproveitava a tarde para fazer algumas reparações nos anexos do Monte que adquirira recentemente no Alentejo. Deixara a sua carreira de advogado para se dedicar a um projecto de desenvolvimento agrícola.

No auge dos seus 35 anos apresentava uma forma física invejável, muito graças às horas que dedicava semanalmente ao triatlo. Transpirava abundantemente, de tal forma que a sua pele bronzeada reflectia cada gota de suor que corria pelos músculos tonificados cujo esforço realçava. O aperto dos jeans algo gastos deixava notar o desenvolvimento muscular das nádegas e pernas. A proporcionalidade era perfeita!

Ouviu à distância o som rouco de um veículo a aproximar-se. Não imaginava quem pudesse ser. Estava divorciado à mais de um ano, altura em que decidira deixar a advocacia para se dedicar a um projecto pessoal de agro-industria. Para além da família, pouca gente gente conhecia quer o seu paradeiro quer a sua nova ocupação. 

O veículo aproximava-se a uma boa velocidade pelo caminho de terra batida deixando no ar uma espessa nuvem de poeira amarelada. 

Um Range Rover Evoque com vidros escurecidos parou próximo da casa recém remodelada que tomara a Guilherme os primeiros meses depois de se mudar. O jipe permaneceu imóvel durante alguns segundos sob o olhar atento do proprietário da casa, até que a porta do condutor abriu. Viu pousar no chão uma bota negra de salto incrivelmente alto, depois a outra. De dentro da viatura saía de uma forma quase cinematográfica uma mulher de cabelo negro brilhante, com uns óculos escuros que lhe tapavam parte da face. Envergava uma saia de cabedal negro e uma blusa bastante decotada.
Dirigiu-se a Guilherme que tentava, em vão, reconhecê-la. 

- Boa tarde! Guilherme Salvador? - perguntou 

- Sim, sou eu. E com quem tenho prazer de estar a falar?- questionou enquanto secava com uma toalha o suor que lhe pingava pelo tronco.

- Amanda Soares. Trabalho na CostaLima&Assoc. Estou encarregue de um dos casos que deixou pendentes. - disse enquanto tirava os enormes óculos deixando a descoberto os olhos pretos, maquilhados com um eyeliner carregado e enquadrados por uma pestanas longuíssimas. 

- Como deve saber deixei a advocacia. De qualquer forma, se puder ajudar, terei todo o gosto. - Respondeu de forma amável. 

- É por isso que aqui estou. Extraviaram-se algumas cópias dos documentos do caso Mirage e estamos com dificuldades de acesso aos originais. Como sabemos que tem cópias de todos os seus processos, gostaria de saber se os podemos consultar até termos novas cópias em nossa posse.  - Explanou sucintamente.

- Claro. Sem problema. Vou levá-la ao escritório e dou-lhe o processo para consultar. - Disse enquanto lhe indicava a porta da casa. 

Seguiram pela casa, devia ter umas 5 ou 6 divisões mais os anexos. A cozinha e a Sala eram a mesma divisão, bastante amplas e com decoração rústica, dominada por uma lareira bem ao centro que dominava a divisão. Com Guilherme à frente, seguiram por uma pequena escada que dava acesso ao escritório, antes um pequeno sótão ou arrumo e que agora albergava a ampla colecção de livros e documentação, para além de ser o local onde era gerida a pequena empresa de Guilherme. Indicou à visitante que se sentasse na sua cadeira e colocou-lhe à frente um conjunto de dossiers sobre o processo que a levara até ali. 

- Sinta-se à vontade para usar o que for preciso aqui ou lá em baixo. Vou descer e tomar um pequeno duche que isto não são formas de receber visitas. - Disse sorrindo enquanto apontava para si mesmo em tronco nu e com alguma sujidade visível pela roupa.  

A advogada mirava discretamente o anfitrião enquanto se sentava na poltrona almofada recostando-se. Cruzou a perna direita sobre a esquerda deixando claramente à vista o tom de pele dourado das suas pernas e pousou sobre elas um dos dossiers - "Por mim não há problema que esteja assim. Está tanto calor!!" - atirou, enquanto abria mais um botão da sua já decotada blusa. 

O homem desceu em direcção ao duche. Entrou no quarto de banho e vagarosamente, tirou os jeans  e ficou apenas de boxers pretos encimados por um fino traço vermelho. Apoio as mãos no lavatório rectangular e olhou-se ao espelho, pensando durante alguns segundos na inusitada visitante que deixara no seu escritório. Tirou os boxers e dirigiu-se ao painel digital da cabine de duche redonda feita por ele mesmo e seleccionou a temperatura da água que de imediato começou a brotar de um larguíssimo chuveiro junto ao tecto.

Fechou os olhos e ali ficou a sentir o relaxamento provocado pela  água que caía sobre o seu corpo.  


quinta-feira, 18 de outubro de 2012

O Sexo e os Signos

Roubado de: Desejo de uma mulher

Sagitário: Confere!!!



Áries: Sabem chupar tudo.
Touro: São os profissionais.
Gêmeos: Os mais compulsivos por sexo.
Câncer: Os que esquentam e excita ao máximo.
Leão: O único signo que te faz tocar no céu.
Virgem: Os mais doces no sexo.
Libra: Os melhores na cama.
Escorpião: Sexo, sexo e mais sexo.
Sagitário: Prova de tudo.
Capricórnio: Te devora na Cama.
Aquário: Faz sexo com toda a calma.
Peixes: Te esquenta, te excita, faz certas loucuras pra te deixar louco.

sábado, 13 de outubro de 2012

Don't Look at me... (II)


... that way

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Alone in the dark

Jessica, ocupava uma das filas do fundo. Sozinha como era seu hábito ao frequentar o cinema. Os primeiros dias de Outouno traziam consigo uma temperatura ainda vereaneante, convidando a roupa leve e fresca.
Vestia um confortável vestido que terminava pouco acima dos joelhos, de cor turquesa. A suas discretas curvas ganhavam um novo relevo pela forma definida do vestido que deixava a pele dourada de um dos ombros a descoberto. 

A lotação da sala não passaria de metade da capacidade da sala. a sua fila estava vazia. À frente um jovem casal de namorados perdia-se em carícias prestando pouca atenção ao filme. 

O filme já começara à um bom pedaço. Scarlett, despe-se e lança-se à piscina perante o olhar perplexo do seu melhor amigo. "Won't you come in?" - perguntou a protagonista.

Jessica fechou os olhos e continuou a ouvir aquela voz doce rouca e sensual a ecoar-lhe nos ouvidos de uma forma hipnotizante. Entrou na água e e juntou-se-lhe. Fitou-a longamente e agarrou-lhe a mão. Puxou-a para si. Os seios de ambas tocaram-se numa carícia não planeada mesmo antes dos seus lábios se colarem. Os lábios carnudos de Scarlett envolviam e dominavam num beijo longo e devasso. As mãos de ambas exploravam o corpo da companheira. A água à sua volta agitava-se com os seus movimentos de ambas. 

A mão percorria agora as suas pernas, do joelho até à coxa, sentindo uma temperatura cálida, caminhando compassadamente em direcção ao seu centro de prazer. Recostou a cabeça e abriu ligeiramente as pernas confortando-se naquela posição.

A mãos de Scarlett investigavam o corpo de Jessica. cada recanto dos seus seios, as nádegas firmes, a barriga sexy e definida, finamente decorada com um piercing em forma de estrela. "Wanna feel you with my lips" disse com aquela rouquidão sensual que a caracteriza. E dirigiu os fartos lábios aos seios pequenos e redondos de Jessica cuja respiração aumentava de ritmo. 

O ruído seco da porta a bater interrompeu Jessica... deu por si recostada na cadeira com o vestido um pouco descomposto e com a mão direita humedecida pela breve excitação provocada pelos seus pensamentos inusitados...


sábado, 22 de setembro de 2012

High Above (III - Final)

Nao hesitei em abusar daquele cenário deslumbrante e explorei cada recanto daqueles antros de prazer. Envolvi-os com as minhas mãos sentindo o seu calor e a sua textura suave qual pele de pêssego.

Senti a sua pele arrepiar-se à medida que me aproximava dos generosos mamilos algo pontiagudos. Caí de boca neles, beijei chupei lambi e mordisquei, enquanto a directora cavalgava no seu passo ritmado soltando gemidos audíveis, apenas abafado pelo som dos potentes motores GE daquela mansão com asas!

Segurei-a pelas ancas e levantei-me. Sentia a cruzar as pernas com força à volta da minha cintura para evitar que aquela simbiose se desfizesse. Encostei-a à parede e investi fortemente, uma e outra vez, penetrava-a cada vez mais forte e o os gemidos transformaram-se em gritos. Pedia mais a cada bombada. Sentia os meus glúteos a contraírem intensamente. O meu mastro latejava com a excitação e conseguia sentir o pulsar da inundada vagina da Cláudia. 

"Come-me por trás!... despacha-te que devemos estar quase a chegar..." - Disse-me ao ouvido em voz baixa mas firme!

Largámo-nos! Sentia ligeiros tremores nas pernas devido ao esforço despendido. 

Ela encaminhou-se para o grande Cadeirão que estava junto à entrada do cockpit. Colocou as mãos nas suas costas e olhou para trás empinando o rabo na minha direcção. 

O corpo em forma de violão era deslumbrante pelo conjunto das suas curvas, mas olhá-lo daquela forma, vendo o proeminente rabo assim oferecido em primeiro plano ainda se tornava mais indescritível. Encostei-me a ela. Emanava do seu corpo um calor agradável. Penetrei-a. Agarrei-lhe fortemente nas ancas puxando-a para mim! Persisti no movimento, num vai-vem intenso. Puxei-lhe o rabo de cavalo com a mão esquerda. Com a direita presentei-a com umas palmadas ao ritmo das investidas. Os urros e gemidos de ambos aumentaram de ritmo até que não aguentei mais... tirei o membro de dentro dela e gozei intensamente deixando marcas de prazer por todo o lado. 

Cláudia deixou-se cair para cima do cadeirão e eu recostei-me no sofá em estado semi adormecido. 

Ouviu-se a voz do Comandante no sistema de som: "Senhores passageiros, estamos a iniciar o procedimento de aterragem ao aeroporto  de Barajas - Madrid. Por favor coloquem os cintos de segurança e desliguem todo e qualquer equipamento electrónico.."

A viagem tinha-me seguramente passado mais rápido do que habitualmente. Levantei-me a custo e vesti-me rapidamente. 

"Se comentas isto com alguém, é o teu fim na empresa." - atirou Cláudia em voz seca!

"Comentar não comento! Mas podemos repetir!!" - retorqui

"Vou pensar nisso" -  disse em voz trocista enquanto começava a retocar a maquilhagem!...

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

High Above (II)

Após o impulso inicial da descolagem demorou pouco até podermos tirar os cintos.

Dirigi-me à zona de bar é procura de um Porto. Vislumbrei numa das prateleiras mais altas um Kopke LBV de 2003.

- Queres beber alguma coisa? - perguntei

- Uma água tónica, se faz favor.

Servi-lhe água tónica e apoiei-me no braço da poltrona ao lado de Cláudia.

- Que te leva a Madrid? Business or Pleasure? - arrisquei

- Business AND pleasure. Há coisas que não se devem misturar mas há que abrir.... excepções. - e à medida que acabava a frase fazia saltar um dos botões da apertada blusa negra, deixando ver parte do soutien ligeiramente rendado que disputava o protagonismo com a pele bronzeada dos seios que aparentavam querer saltar.

Aproximei-me dela e, colocando dois dedos no centro do soutien, puxei-a delicadamente até junto de mim. Pude apreciar a suavidade e o calor que emanava do seu corpo. Ficámos olhos nos olhos. Percorri-lhe o rosto com olhar. Os lábios finamente retocados com um batom peach pink  contrastavam com a sombra acinzentada com que maquilhara os olhos que me fitavam longamente à espera que desse o próximo passo. 

Mordisquei-lhe o pescoço ao mesmo tempo que era atingido por um inebriante perfume, quase hipnotizante. Não desisti e prossegui ora beijando ora mordiscando. Sentia o ritmo da respiração da Cláudia a aumentar. Desapertei-lhe o soutien deixando à vista os peitos ligeiramente empinados. Não resistia beijá-los longamente. E novamente aquele aroma adocicado a invadir-me as narinas deixando-me num intenso transe.  Explorei cada centímetro com a língua titilando nos proeminentes mamilos, ora beijando-os ora sentindo com a ponta dos dedos a delicadeza do seu corpo. 

Cláudia deixava-se levar ao mesmo tempo que me desapertava os botões da camisa de algodão, arrancando-me a camisa com veemência.

Empurrei-a até ao grande sofá negro em L que dominava uma das laterais do avião. Ajudei-a a desfazer-se das super apertadas calças que lhe moldavam impressionantemente o rabo!! À medida que a pele bronzeada ia aparecendo ia ficando mais hipnotizado com a imagem daquela deusa latina. A pequena tanga  negra semi transparente apenas simulava cobrir as partes mais íntimas dela.

Beijei-lhe a coxa... uma e outra vez! Sentia-a arrepiar-se mas a cada arrepio entregava-se mais, de tal forma que me agarrou o cabelo e empurrou direito ao seu entrepernas. Desde que começáramos aquele jogo, não tinha proferido nem palavra. Apenas alguns suspiros mais profundos ou um arfar mais audível mas desta vez soltou um irado "Lambe-me! Deixa-te de rodeios!"

Assim fiz. Joguei a tanga para o lado expondo uma fina penugem morena deliciosamente cuidada. O perfume desta vez era outro. Exalava um intenso odor a sexo. Tomado pela excitação o seu sexo ganhou um brilho húmido. Não resisti e passei a ponta da língua desde o início da sua racha até me deter no rígido clítoris. A ponta da língua demorou-se por ali, em movimentos suaves e cadenciados ou em ritmos mais frenéticos e surpreendentes enquanto ouvia os seus gemidos aumentar de volume. Deliciei-me com a seiva frutada que brotava do sexo da inusitada parceira enquanto me pressionava contra os seus proeminentes lábios vaginais procurando mais prazer.

Tornou a puxar-me pelos cabelos, mas desta vez para me afastar. Empurrou-me vigorosamente para o Sofá e quase me arrancou as calças na ânsia de me despir. Em menos de nada, sentou-se em cima do meu pau. À medida que a penetrava lentamente o seu gemido prolongava-se até terminar num suspiro, como se esse fosse o sinal que dizia que finalmente, estava todo enterrado dentro de si. Iniciou uma cavalgada suave mas ritmada, e eu deliciava-me cada vez mais quer com a cavalgada quer com a imagem brutal das mamas a balouçarem persistentemente à minha frente...




segunda-feira, 10 de setembro de 2012

yeah babe...


That's what WE like!!!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

domingo, 2 de setembro de 2012

HOJE


...pode mesmo começar assim....

K

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Regresso??

Quero regressar, mas não sei quando nem como...

há momentos de indefinição e incerteza que nos toldam a mente e a criatividade!

QUERO REGRESSAR!

K


terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Assim...



Ou assim...


quero é que venhas até mim...AGORA!

sábado, 21 de janeiro de 2012

Nova contratação....

...Para tratar do cavalos!!!.... 

e aviso já que não a empresto!!

domingo, 15 de janeiro de 2012

domingo, 8 de janeiro de 2012

High above!

Se há contratos importantes, este era um deles! A empresa onde trabalho fretara um avião de propósito para poder ir representar a empresa no maior contrato de fornecimento do ano.
Estava junto à escada de acesso ao avião a responder a uns emails pelo smartphone, quando o comandante, junto á porta do avião me chama para ir subindo.

Ao ouvir o meu nome virei-me na direcção da escada e levantei os olhos em direcção à escada. A imagem que vi foi supreendentemente arrebatadora.
A subir a escada, estava Cláudia, directora de um outro departamento da empresa.

Não fazia a mais pálida ideia que ela também iria a Madrid naquele dia. Nunca tivemos muita ligação, mas era daquelas mulheres que dificilmente passa despercebida aos homens.

Calmamente, mas em passo firme, subia a escada! As calças de pele negra, coladas ao corpo deixavam transparecer, a cada movimento, as mais íntimas curvas. A cada degrau subido com as botas Manolo Blanhik notava-se a firmeza dos glúteos, das coxas...

Fiquei estático a vê-la mover-se! O brilhante cabelo castanho dourado, apanhado num pequeno ponytail,  pendia suavemente sobre um pequeno casaco de cor cinza!

Entrou!!

Segui-lhe os passos!
Entrei no Embraer Lineage 1000!
Luxuosíssimo!!
"Alguém não estava preocupado com o custo de fretar um avião assim!" - pensei eu. Habitualmente, a empresa fretava um avião "básico", não um Hotel com asas, como este!


Mal entrei deparei-me com um espaço decorado à base de pele negra e decors em alumínio! Neste Lounge, destacava-se um enorme LCD, um cadeirão com ottomana e um sofa em L.

Cláudia colocara a sua enorme mala numa mesa de apoio. Virou-se e por pouco não chocou comigo!

- Aiiiiiii!!! Assustou-me Ricardo. - disse ela com a voz um pouco trémula.

- Olá Cláudia. Não sabia que ia viajar acompanhado! - respondi eu.

- Achas que se fosses sozinho fretavam um avião assim!? - retorquiu ela enquanto num gesto largo mostrava o interior do jacto.

- Hummm....  então foi  você que pediu isto? - perguntei eu.

- Melhor!! Fui eu que fretei o avião! Porque também tenho de ir a Madrid. Podia ter ido em qualquer altura... mas escolhi estes dois dias!! Vê inconveniente em irmos os dois?? - Questionou ela em tom suave.

- Inconveniente?? Nenhum...  bem pelo contrário! Assim a viagem torna-se menos maçadora! - respondi eu.

- Muito menos, espero eu!! - disse ela em tom jocoso - e já agora, vamos terminar com esta formalidade do "você" pra cá e "você" pra lá. Ok??

- Ok!!

O Comandante saíu do cockpit e informou que dali a 5 minutos partiríamos.
Puxou levemente o fecho do casaco até se entrever top negro que envergava. Ofereci-me para a ajudar a tirar o casaco.

Acedeu! Colocou-se costas para mim e puxei cada uma das mangas!

Quando se virou, fiquei vidrado. Saltaram à vista os fartos seios que até aquela altura se escondiam por detrás do casaco. Fiquei durante uns segundos embasbacado perante aquela visão.

Sorri-lhe... mas a resposta foi um sorriso malicioso!!...

Sentámo-nos, cada um numa das poltronas disponíveis e apertámos os cintos para a descolagem.

(continua)

sábado, 7 de janeiro de 2012

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Rebecca Romijn Striptease

enquanto trabalho em mais uns textos... nada como um strip da Rebecca Romijn Stamos para animar...